MENU
PRODUTOS

Conheça a FEBRAEC - Instituição de Indicação de Negócios de Consultorias

Prêmio Melhores Práticas em Educação Corporativa

Confira as fotos e o vídeo completo da premiação da FEBRAEC.

Febraec para empresas

FEBRAEC para Empresas

Publicado segunda, 26 de junho de 2017, às 09:16
Como o novo segmento liberal da classe média baixa brasileira afeta o trabalho de Marketing e RH nas empresas?

O Brasil está mudando rapidamente. E, é claro, que a situação política brasileira, incendiada pela Operação Lava Jato, e o avanço da influência das igrejas evangélicas, que abraçam a causa da prosperidade pessoal através de uma postura de trabalho e empreendedorismo, estão contribuindo (e muito) para isso. As pessoas começam a perceber que depender de um Estado corrupto e ineficiente nunca vai levar ninguém a ser próspero, a menos, é claro, que você seja um político corrupto.



A importância do assunto não é desprezível. Tanto é assim que a revista Época, em sua edição de 10 de abril de 2017, dedicou exatas doze páginas sobre o assunto. O mesmo assunto surgiu recentemente também em diversos outros órgãos de imprensa, como por exemplo, o jornal O Globo (em 05 de abril de 2017, e o jornal O Estado de São Paulo (em 03 de abril de 2017)). Segundo a reportagem da revista Época, e também conforme a pesquisa da Fundação Perseu Abramo, entidade ligada ao Partido dos Trabalhadores e, que foi citada na reportagem, existe uma nova classe social emergente que não enxerga o mundo sob a ótica da luta de classes.



Essas fontes afirmam que está emergindo no Brasil um novo segmento social, cujos valores são baseados na cultura da iniciativa, do mérito individual e do empreendedorismo. Segundo a revista Época, são os chamados "novos liberais". São pessoas, usualmente de classe média baixa, que estão prosperando por conta própria, sem a ajuda (ou apesar) do Estado. Mas o que é que isso tem a ver com as empresas?



A resposta é simples. As empresas devem refletir isso em sua estratégia de marketing. Esse segmento social quer um "empoderamento" obtido através de sua própria iniciativa e mérito. As marcas precisam refletir isso ou poderão perder clientes para os concorrentes que perceberem isso antes. Por outro lado, o RH precisa estar atento para atrair e manter pessoas desse novo segmento social nas empresas. Sem esse tipo de pessoas trabalhando na empresa, será difícil entender como esse novo segmento social pensa. Aqueles que pertencem a esse segmento social não se sentirão atraídos por ofertas de trabalho burocráticas, no qual não haja a percepção de meritocracia e nem a possibilidade de crescimento profissional.



Esse novo brasileiro não quer apenas medidas compensatórias dadas pelo Estado para as classes menos favorecidas. Esse novo brasileiro quer oportunidades e instrumentos para crescer, conforme colocado pelo Prof. Mangabeira Unger, na entrevista da revista Época, em 10 de abril de 2017. Trata-se de um segmento que quer vencer com seus próprios méritos. É exatamente esse tipo de, digamos assim, “fermento social” que fez com que alguns países de primeiro mundo prosperassem, como por exemplo, os Estados Unidos, cuja origem religiosa é protestante, que valoriza o trabalho e a meritocracia. O desafio está lançado para as empresas. Quem aproveitar essa percepção antes da concorrência vai se dar bem. Desnecessário comentar o que vai ocorrer com as empresas que insistirem em não enxergar essa nova realidade. Quem viver, verá.


Publicado por Álvaro Camargo
Compartilhe esta página em suas redes sociais